segunda-feira, maio 2

A verdade de um fato

Quando começo a falar algo contra nosso ex-presidente Lula, logo dizem que sou tucano. Se replico dizendo que fui favorável ao governo dele, que acredito em muitos dos seus projetos, logo dizem que sou petista roxo. Já descorri aqui sobre a dicotomia inabalável da crença dos brasileiros e não irei novamente ficar perdendo meu tempo dizendo que não existem somente dois lados, não é o foco aqui.

Mas eu quero falar sobre algo muito importanto e cuja verdade descobri nesse final de semana. No governo do Lula foi aprovado o padrão brasileiro de tomadas. Um padrão ridículo que não se encaixa em nenhhum formato adotado no mundo. Bem, eu odeio isso e isso é odiável. É ridículo e me parecia mais um comportamento napoleônico do barbudo do que simplesmente uma adaptação para todos. Sim, que precisávamos de um padrão (viu, petistas dicotômicos), disso não discordo, mas para que inventar um totalmente novo?

Diferente do utensílio mais inútil do mundo, o tê ou benjamin ou ainda múltiplo conector elétrico é de uma utilidade sem limites e ele é o culpado de tudo, ou melhor, quem está por trás dele.



Fontes do Chutafoca Corporation Alliance descobriram o lobby do Tê no Congresso Nacional. Uma trupe que ardentemente queria dinamizar a economia do setor e que, depois de muitos anos, conseguiu emplacar esta maldita lei que altera os não-padrões nacionais.

Bem, quem ganha e quem perde? Certamente a bancada do Tê e Lula com seus infindáveis estoques de tês antigos que servem para sua geladeira, tv e cooler ganham com isso, e nós, brasileiros comuns, temos que nos virar com adaptações mal feitas, instalações corriqueiras e danos materiais (e morais).

Espero que o futuro nos reserve algo melhor.