quinta-feira, janeiro 5

Coisas que costumam acontecer comigo: uma noite no Tubarão

Ontem estive no agradabílissimo Bar do Tubarão com duas amigas minhas. Este bar está localizado na formosa Avenida Vital Brasil próximo à esquina da Avenida Francisco Morato, logo após a saída da ponte Eusébio Matoso, um local sem igual. O atendimento é impecável: cerveja sempre gelada, caipirinha a gosto, substituição de ingredientes de lanche sem reclamação e com qualidade, porção de batatas-fritas em tamanho insuperável. Fora a melhor placa do bar: NÃO SERVIMOS OVO CRU.

Bem, não somente pelas qualidades do local, havia também algumas figuras insuperáveis, entre elas um senhor que entrou no bar, veio em minha direção fazendo sinais de que sou louco e me entregou um galho de arruda. Tenho certeza ser ele um enviado, tipo espírito santo, do Deus Cana. Vou repetir aqui na íntegra todas as palavras que ele proferiu no momento em que me deu aquele item sagrado:

"Teatrttetegdanblalalalahdhdhduduueed gargagargagrgr gaaaaaaaaaaaaaaarrrrrrr ujguuuuuuuuuuuu arrrrrrrrrrr".

E assim dito, amém.

Eu também adorei aquele outro mano tentanto atravessar a porta de vidro, eu acredito que ele realmente se achou bem Matrix e pensou: isto não é uma porta. Ele precisa de mais treinamento!!!!!

Bem, esse foi o primeiro boteco que visitei este ano em São Paulo, será isto um sinal de sorte? Azar? O mundo irá realmente acabar? O sorvete irá continuar derretendo?

Perguntas que ninguém sabe responder.